O sancta simplicitas!

Lembro-me do episódio histórico de Jerônimo de Praga. Depois de haver assistido, pelas grades da prisão, seu mestre João Huss ser queimado vivo em praça pública, foi também glorificado com a graça especial de uma fogueira semelhante. No momento em que as chamas começavam a iluminar a sua figura estranha, caridosamente amarrada ao palanque do suplício (para salvação de sua alma rebelde) viu uma pobre velhinha aproximar-se da fogueira com uma acha de lenha e atirá-la ao fogo. Era a sua contribuição piedosa para a salvação do ímpio. Jerônimo exclamou apenas: "O sancta simplicitas!" [Santa simplicidade!] Pouco depois estava reduzido a cinzas, para a glória de Deus, e suas cinzas foram lançadas ritualmente nas águas do Reno. (Herculano Pires, Agonia das Religiões)

4 comentários:

felipe weber disse...

quando tu vais escrever algo teu o

Daniel Weber disse...

não tenho algo meu para escrever... o que é meu é o que tomo dos outros para mim...

Eustáquio disse...

Eu propriamente não tenho comentário a fazer. Apenas esbarrei na expressão latina "sancta simplicitas", também utilizada em reflexão filosófica que encontrei no Paraíso Niilista, a qual resolvi postar aqui.

http://niilismo.net/reflexoes/amizade.php

Anônimo disse...

Foi a melhor síntese dessa frase histórica que já encontrei, você poderia inserir na wikipedia. Parabéns, um abraço!
Elcio IELPO